Dúvidas Frequentes

1 – O QUE É NECESSÁRIO OBSERVAR AO FAZER ALGUMA ALTERAÇÃO OU CONTRIBUIÇÃO AO TEXTO?

Que se atente para duas perguntas que devem mediar o questionamento: primeiro uma análise em relação à clareza, ou seja, a capacidade que o texto deve ter de comunicar com o interlocutor (quem está lendo); segundo, observar o que está nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN), que deve ser referência para toda e qualquer contribuição ao texto.

Lembrando que as Diretrizes Curriculares foram construídas tendo como objetivo a oferta de uma educação que garanta a equidade e qualidade social. Portanto, na análise do texto preliminar da BNCC deve-se observar sempre os critérios de CLAREZA, PERTINÊNCIA E RELEVÂNCIA.

Observe sempre que o mais importante é que a partir de suas contribuições, a BNCC venha a ser algo que oriente, que esteja aberto, e que permita compreender aquilo que é essencial para a escola, para a área de conhecimento e para o componente curricular.

 

2 – COMO PODEMOS ENTENDER O SIGNIFICADO DE CLAREZA, PERTINÊNCIA E RELEVÂNCIA?

Clareza: deve ser vista como a capacidade de comunicação do texto com o interlocutor.

Pertinência: se aquilo que está sendo proposto é adequado para aquela etapa de desenvolvimento.

Relevância: se aquilo que está sendo proposto como conhecimento é de relevância para a educação básica.

 

3 – COMO PROCEDER NO CASO DE DISCORDÂNCIA QUANTO A ESSES CRITÉRIOS, DA CLAREZA, PERTINÊNCIA E RELEVÂNCIA?

Solicita-se o envio, a adequação de um motivo que justifique a discordância. No portal da BNCC, lista-se os quatro motivos iniciais para após justificar por escrito a discordância, que pode ser feita de maneira livre por quem tá fazendo a contribuição.

 

4 – COMO VÃO SER COMPILADOS OS DADOS DAS REDES DE ENSINO?

A compilação vai ser feita via sistema (Portal nacional da BNCC). Por isso, a importância da participação de todas as redes via Comissões Regionais, pois a partir delas, as contribuições da regional serão lançadas e independente da Rede de Ensino, Estadual, Municipal, Privada e Federal, todas serão importantes para a composição daquilo que será a contribuição da proposta do Estado. O importante é que todas as escolas contribuam.

 

5 – TEM UM TIPO DE CADASTRO ESPECÍFICO PARA AS ESCOLAS DAS REDES MUNICIPAL, PRIVADA E FEDERAL?

Não. O cadastro é o mesmo, via portal, e é feito com o código do Inep e o CPF do Diretor da escola, o que foi cadastrado no censo 2014.

 

6 – QUEM DEVERÁ SER O RESPONSÁVEL PELA INSERÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES DA ESCOLA NO SISTEMA?

A escola deverá escolher uma única pessoa que fique responsável pela inserção das contribuições, que será feita após a discussão entre todos os participantes da unidade escolar. Essa contribuição deve ser feita a partir do perfil escolhido pela escola, que leva em consideração a etapa de ensino que a escola trabalha, área de conhecimento e componente curricular, sobre o qual ela deseja contribuir.

 

7 – COMO SERÁ FEITO O CADASTRO DESTE RESPONSÁVEL PELA INSERÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES?

Via portal. Ele irá cadastrar seu Nome, CPF, E-mail, DDD e telefone, por fim a área de interesse sobre o qual a escola quer contribuir. Lembrando que o perfil sempre poderá ser alterado, abrindo a possibilidade de sempre poder contribuir com outra etapa, área de conhecimento e componente curricular que desejar.

 

8 – AS CONTRIBUIÇÕES DEVERÃO SER INSERIDAS TODAS DE UMA VEZ?

Não. O sistema de contribuições ficará aberto até 15 de dezembro, portanto as alterações ou novas contribuições poderão ser realizadas a qualquer momento, desde que respeitando o prazo definido pela escola, pois, em 15 de dezembro fecha-se o sistema para as contribuições gerais.

 

9 – COMO SERÃO GERADOS OS RELATÓRIOS?

Os relatórios serão gerados após a análise quantitativa dos dados que são as contribuições feitas pelas escolas e regionais. Assim, cada regional irá receber a análise dos dados de todas as unidades escolares que são jurisdicionadas nas regionais.

 

10 – A COORDENAÇÃO ESTADUAL PODE ACESSAR AS CONTRIBUIÇÕES DE TODAS AS ESCOLAS OU SOMENTE DAS REGIONAIS?

A Coordenação Estadual poderá acessar de todas as escolas, pois as contribuições são públicas, abertas a todos que se interessarem.

 

11 – O PROFESSOR PODERÁ CONTRIBUIR EM TODAS AS ÁREAS DE CONHECIMENTO?

Sim. Apenas fique atento a qual item ficou marcado no perfil, e se foi selecionado anteriormente uma área em específico, é possível trocar pela opção ‘Todos’, e assim o portal estará disponível para que o professor e/ou escola possa contribuir em todas as áreas e componentes.

 

12 – COMO JUSTIFICAR A ALTERAÇÃO NOS OBJETIVOS? É POSSÍVEL ALTERAR SEM JUSTIFICAR ?

Orientamos para que toda alteração seja baseada nos critérios de pertinência, clareza e relevância, portanto, se houver a necessidade de alteração, esta deve ser justificada.

 

13 – É POSSÍVEL ALTERAR O CADASTRO PARA A PESSOA REPONSÁVEL NAS UNIDADES EDUCACIONAIS PARA INSERÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES?

Sim. Entretanto, orientamos as unidades educacionais que a solicitação seja feita apenas em casos extremos, pois esta modificação é complexa e requer um tempo que pode comprometer o andamento dos trabalhos.

 

14 – POR QUE A ESCOLHA PELA CONSULTA ELETRÔNICA?

A consulta eletrônica foi a solução mais viável diante da dimensão territorial brasileira, e por ser o meio mais eficaz de se ouvir a opinião de um maior número de escolas brasileiras.

 

15- QUANTOS PROFESSORES PARTICIPARAM NA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO PRELIMINAR DA BNCC?

Na elaboração do documento preliminar foram envolvidos 116 especialistas, sendo que 50% são professores do ensino superior e os outros 50% professores da educação básica.

 

16 – ONDE ENTRAM OS DIREITOS DE APRENDIZAGEM E ESPECIFICIDADES DA EJA NA BNCC?

A BNCC foi toda pensada de forma a garantir os direitos e objetivos de aprendizagem, tudo tendo como referência as DCN. As discussões relacionadas à EJA serão feitas posteriormente a elaboração final do documento da BNCC, e poderá ser incluídas na parte diversificada.

 

17 – POR QUE EM CIÊNCIAS DA NATUREZA EXISTE UM EIXO SOBRE CONSTRUÇÃO CONCEITUAL E O MESMO NÃO OCORRE EM CIÊNCIAS HUMANAS E EM LINGUAGENS?

Isto ocorre por causa das especificidades da própria área de conhecimento e de seus componentes curriculares, onde trabalhar com eixos conceituais atende melhor suas particularidades.

 

18 – COMO SERÁ A PRODUÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS A PARTIR DA EFETIVAÇÃO DA BNCC?

Antes da BNCC as editoras tinham autonomia para produzir os conteúdos que iriam compor os livros didáticos, tendo como base as matrizes de referência. Com a implantação da BNCC, todo material didático produzido, inclusive os livros didáticos, deverão ter como referência a Base Nacional Comum Curricular.

 

19 – COMO SERÃO CONSOLIDADAS AS CONTRIBUIÇÕES?

O MEC em parceria com a UNB (Universidade de Brasília) fará uma contabilidade, portanto um analise quantitativa das contribuições, e isso será repassado às regionais que terá um relatório de cada unidade escolar.

 

20 – HOUVE DISCUSSÃO PARA QUE A OFERTA DA LÍNGUA INGLESA COMEÇASSE NA 1ª ETAPA DO ENSINO FUNDAMENTAL ?

O que podemos afirmar é que houve discussão, por parte de especialistas, em relação a todos os componentes curriculares e todas as etapas de ensino, inclusive da Língua Inglesa. Porém é necessário frisar que o documento preliminar não prevê a oferta da Língua Inglesa ou Língua Espanhola, em específico, em nenhuma etapa de ensino, e sim de uma Língua Estrangeira segundo as necessidades e especificidades de cada regional.

 

21 – SE TEMOS 40 COMISSÕES REGIONAIS, COMO O SISTEMA VAI FILTRAR OU COMPARTILHAR OS DADOS SUGERIDOS POR SEUS MUNICÍPIOS JURISDICIONADOS?

O sistema vai cadastrar cada unidade escolar (estadual, municipal, federal e privada) da regional jurisdicionada, assim cada uma delas tem como, a partir do relatório gerado, acompanhar todas as unidades escolares dos municípios de cada regional.

 

22 – É POSSIVEL CONTRIBUIR NA ESTRUTURA DO DOCUMENTO OU APENAS NOS TEXTOS?

Na estrutura é possível apenas nos Textos Introdutórios. No restante do documento as modificações devem ser feitas observando a clareza, pertinência e relevância.

 

23 – O PROFESSOR PODERÁ CONTRIBUIR EM TODAS AS MODALIDADES?

Sim, mas a orientação é que o professor contribua na etapa e componente curricular de atuação, ou seja, preferencialmente que atenda à formação acadêmica. Porém se ele atua em todas as etapas (ensino fundamental e ensino médio) e em outros componentes curriculares, então ele poderá contribuir.

 

24 – COMO A COMISSÃO REGIONAL VAI RECEBER AS CONTRIBUIÇÕES E APURÁ-LAS PARA UMA CONFERÊNCIA REGIONAL E ENVIÁ-LAS AO MEC?

A equipe designada (parceria MEC/UNB) para analise dos dados é quem fará a compilação das informações e sistematização dos dados. A finalização desta compilação será enviada às Comissões Regionais via relatório. A partir disso, será ofertada uma formação para que cada Comissão Regional tenha condições de finalizar seu documento, caso seja necessário.